Terça-feira, 2 de Janeiro de 2007
Novo Desafio da Prova à Quinta!
    Decidi avançar, sem mais nem menos com disse o nosso amigo do krónikas vinícolas...
    O meu desafio é algo que tenho vindo a pensar já há um tempo.
Se existe cerca de 200 castas portuguesas, existe apenas uma dúzia delas onde se consegue obter bons varietais, certo?
    O desafio é esse, é provarmos e saber se existe além das castas: Touriga Nacional, Aragones (Tinta Roriz), Trincadeira e Baga, boas castas para a realização de bons varietais.
    Só castas tintas e portuguesas! E sei que existe bons vinhos, por isso vamos lá provar nesta fase natalícia as castas que de não se falam assim tanto e dignificar assim estas castas tugas!
Autor: Rui
publicado por rui sousa às 13:31
link do post | comentar | favorito
|
29 comentários:
De rui sousa a 14 de Dezembro de 2006 às 13:43
Vemo-nos no dia 04 de Janeiro, penso que é melhor data, para fugir a quadra que se aproxima.
Provem bons vinhos varietais portugueses, não interessa o ano, nem a data da colheita, tem k ser é portugues e não ser de Touriga Nacional, Aragonez, Trincadeira e Baga.
Bom Natal para todos e excelente 2007!
De João Barbosa a 14 de Dezembro de 2006 às 19:10
É um desafio e pêras... ou melhor, e uvas! Ainda não alinhei numa prova à quinta, mais por indisciplina da vida do que por vontade. A ver se me amanho e consigo tecer uma prova que se encaixe no desafio. Bela ideia!
De Kroniketas a 14 de Dezembro de 2006 às 22:55
Ora bem, bem pensado este desafio. Castas tintas portuguesas (o que exclui a Cabernet Sauvignon, a Syrah, a Merlot, a Pinot Noir...) que não sejam as habituais Aragonês/Tinta Roriz, Trincadeira, Touriga Nacional ou Baga. Mas ainda restam umas quantas: o Castelão, a Touriga Franca, a Tinta Barroca, o Tinto Cão, a Tinta Miúda, o Alfrocheiro, o Moreto... Há muito por onde escolher.
De rui sousa a 17 de Dezembro de 2006 às 15:06
Pois há muito por escolher e com bons vinhos com certeza... Tenho que mencionar a Jaen, que é uma casta importante no Dão...
De Kroniketas a 18 de Dezembro de 2006 às 00:17
E também o Bastardo ou Tinta Miúda
De Vinho da Casa a 18 de Dezembro de 2006 às 22:56
Sousão, Tinta Pinheira, Rufete, Amaral, Trincadeira das Pratas, Amor-Não-Me-Deixes, Borraçal, Padeiro! Tantas, o pior vai ser encontrar o vinho!
De rui sousa a 19 de Dezembro de 2006 às 17:40
Precisamente, aí está o desafio... Vamos lá descobrir esses vinhos e tentar saber se estas castas conseguem aguentar-se sozinhas!!!
De caloiro30 a 19 de Dezembro de 2006 às 23:17
Só o Castelão se consegue aguentar. Quem não se lembra do Leo D'Honor ou o Periquita Clássico. Ou então os TE, CO da JMF.
De rui sousa a 20 de Dezembro de 2006 às 00:12
Será??? No dia 4 de Janeiro veremos as conclusões... existe outras castas que dão varietais muito interessantes.
Vamos ver quais!
De Kroniketas a 20 de Dezembro de 2006 às 02:26
Correcção: não é Tinta Miúda; o Bastardo também é conhecido por Tinta Caiada. Mas atenção a esta, que dá excelentes vinhos no Alentejo.
De rui sousa a 20 de Dezembro de 2006 às 07:48
Pois é! Atenção a esta casta, grandes produtores já apostaram, como o João Portugal Ramos e a CARMIN.
De Pedro Guimaraes a 20 de Dezembro de 2006 às 11:17
Boas castas para varietais? Na minha opinião...

Tinto Cão
Ramisco (Complicada mas capaz do melhor. Espero que a revitalizem)
Alfrocheiro ( Bebido novo)
Castelão
Alicante Bouschet (Não é nacional, mas é quase...)

Salvo algumas excepções, prefiro vinhos com mais de uma casta na sua composição, e não me agrada o conceito de mono-varietal com a indicação da casta no rótulo...

Festas Felizes com belos elixires de fundo!!!
De rui sousa a 20 de Dezembro de 2006 às 14:20
Viva Pedro! Pois lá está os mono-varietais são concerteza vinhos mais complicados de fazer e de agradar a todos... Mas aí está a sua beleza e o desafio é descobrirmos se estes vinhos de castas portuguesas "menos conhecidas" conseguem competir com as castas (ditas) nobres.
Parece que está mais que visto que podem dar bons vinhos... e um nome (da casta) também vende, por isso se calhar a menor aposta nestas castas.
um abraço e boas festas
De rui sousa a 4 de Janeiro de 2007 às 20:08
Bem cabe-me a mim, colocar o primeiro post de 2007, sobre o desafio à quinta.
O vinho provado foi um varietal da casta Tinto Cão, do Douro. Um tinto que não é comercializado em Portugal.

Quinta da la Rosa - Tinto Cão 2004
Douro 15%

Realmente fazem-se grandes tintos, com castas menos conhecidas e este é uma prova séria disso.
Este vinho apresentou-se com uma cor muito bonita, granada escura, aromas muito envolventes e complexos a frutas silvestres e negras, compota, muito agradável. Toques vegetais a espaços! Na boca os taninos são muito ondulados, bem feitos, entusiasmante mesmo. O vinho apaixona pela sua complexidade e agradável equilibrio que apresenta. Tem um final muito bom, bem persistente e muito interessante.

18 Val
De Kroniketas a 5 de Janeiro de 2007 às 00:15
Para este desafio escolhemos um Alfrocheiro 2002 da Adega Cooperativa de Borba, provado num jantar no restaurante Alqueva.
Mostrou um aroma exuberante logo no primeiro contacto, apresentando depois um corpo cheio e bem suportado por taninos sólidos mas não agressivos. Contrariando a moda, não tem um teor alcoólico excessivo (12,5%, uma raridade nos tempos que correm, principalmente no Alentejo), o que realça ainda mais os aromas e a estrutura do vinho, assim como o fim de boca bem prolongado. Não é um vinho excepcional mas está muito acima da vulgaridade e merece, seguramente, uma nova apreciação.

Não deixa de ser curioso que na segunda comparação que fazemos entre o Alfrocheiro e o Aragonês da mesma casa, a casta menos famosa supere a sua congénere em todos os parâmetros. Donde se pode concluir que temos muito boas castas fora daquelas quatro e com potencialidades para fazer grandes vinhos. Este Alfrocheiro , parece-nos, tem tudo para se tornar mais uma casta de referência no panorama nacional, pois até há pouco tempo estava sempre ofuscada pelas outras com que era misturada, o que prova a importância de conhecer os vinhos varietais para melhor apreciar as potencialidades de cada casta “de per si”.

Vinho: Alfrocheiro 2002 (T)
Região: Alentejo (Borba)
Produtor: Adega Cooperativa de Borba
Grau alcoólico: 12,5%
Preço no restaurante: 12,75 €
Nota (0 a 10): 8

Comentar post

.mais sobre mim
.email
elixir.baco@gmail.com
.pesquisar
 
.Julho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.últimos elixires

. Vamos andando...

. Adega de Nelas Tinto Pé-F...

. Mais uma Reportagem da Ho...

. Vinho na lha da Madeira e...

. Wine Marketing 29 de Abri...

. Produtores de vinho nos A...

. Américo Pereira Nomeado p...

. Apreciar Vinhos Madeira -...

. “Wine & Spirits Madeira”

. Quinta do Estanho Tinta R...

.Wine Movie "Mondovino"
.tag's

. todas as tags

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
a href="http://wineblogger.info"> Wine Blogger
blogs SAPO
.subscrever feeds