Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

elixirdebaco

Grandes amigos que gostam de provar, mas sobretudo de beber vinho todos juntos. Como a vida os afastou (geograficamente), o vinho acabou por os juntar. E o vinho, torna-se sempre melhor quando é partilhado!

Madre de Água Alfrocheiro 2019

15.09.22 | Rui Sousa

Alfrocheiro-600x600.jpg

 

Características do Vinho:

  • Tipo: Tinto
  • Castas: Alfrocheiro
  • Ano: 2019
  • Região: Dão
  • Teor Alcoolico: 14.5%

Prova: 

  • Data: 15 de Setembro de 2022  
  • Por: Rui Sousa

Produtor: Madre de Água

Enólogos: Paulo Nunes

 

Sobre o Vinho...

A paixão pelo vinho foi outro sonho tornado realidade. As condições de excelência, aliadas às vinhas existentes e à vontade de plantar mais para produzir vinhos de qualidade, foram o passo natural a dar. Actualmente, a Quinta Madre de Água – Serra da Estrela conta com 16 hectares, divididos pelas suas quintas, com castas brancas e tintas, nacionais e estrangeiras. As vinhas encontram-se implantadas a 600 metros de altitude. A Adega foi remodelada e ampliada em 2020, situada na Quinta da Regada com capacidade para vinificar 150 toneladas de uva (quintamadreagua.pt)

Na Enciclopédia dos Vinhos Portugueses (Ed. Chaves Ferreira) e no volume dedicado ao Dão, o autor, Virgílio Loureiro, reconhece que não é casta muito antiga na região e que terá sido introduzida nas replantações pós-filoxera. Pelo destaque que lhe dá percebemos que se tornou uma variedade muito acarinhada e de grande importância nas novas plantações que o Dão conheceu a partir dos anos 90 quando despertaram um conjunto de produtores-engarrafadores que puseram a Alfrocheiro no mapa regional. Falamos da Quinta dos Roques, Carvalhais, Pellada, Casa de Santar, entre outros que surgiram então na região. Não foram, assim, precisos muito anos para que esta variedade passasse a integrar o quarteto-maravilha dos encepamentos do Dão. Sobre a casta “na vinha exige muitos cuidados: é atreita à podridão pelo formato fechado do cacho que incha com a chuva e rebenta. É preciso muito controle na produção porque tende a produzir mais do que é possível para se fazer um bom vinho. Por isso, é preciso bom trabalho na condução da cepa e na monda precoce que deixe os cachos bem arejados evitando o encavalitamento”. E na adega, gosta muito da acidez da Alfrocheiro, “é muito viva e dá alegria ao lote. É uma casta que precisa de algum tempo, os aromas não se mostram logo, é ao fim de um ano que eles se tornam mais evidentes”. (grandesescolhas.com)

 

Prova:

De bela cor ruby, nariz algo fechado a transmitir desde o inicio boas "vibrações" com boas notas pretas e toques de fruta vermelha mais viva. Na boca, alfrocheiro, macio, sedoso, com taninos também envolventes nada marcantes, estão lá, mas não querem grande protagonismo. A fruta ao contrário está na mó de cima, bem presente e é graças é ela que o vinho tem vida!! Sem esquecer a frescura destes vinhos da sub-região da Serra da Estrela, que permite que o vinho ganha uma "segunda" vida no copo e na mesa. Termina de forma média, muito agradável e de referir que a acidez esteve sempre muito controlada, mesmo com as alterações de temperatura. Sem grandes comparações em monovarietais de Alfrocheiro, gostei da estreia... 

 

Classificação: 17/20 

Preço: 9€ (Garrafeira Azevedo - Viseu)

Observações: 

Vivino: n/d; PaixãopeloVinho: n/d;  Revista de Vinhos: n/d; Grandes Escolhas: 17/20