Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

elixirdebaco

5 grandes amigos, que gostam de provar, mas sobretudo de beber vinho todos juntos. Como a vida os afastou (geograficamente), o vinho acabou por os juntar. E o vinho, torna-se sempre melhor quando é partilhado!

3230

por Rui Sousa, em 18.05.20

3230 dias sem escrever sobre vinhos, 3230 dias sem qualquer preocupação em apontar, tirar notas sobre "aquele" vinho, e eis que a quarentena associada a uns amigos que gostam de vinho e sobretudo de socializar com o vinho, levaram-me de volta ao elixirdebaco.

3230 dias, é muito tempo! Nestes anos, vimos tanta evolução tecnologica que mudou a forma como podemos conhecer os vinhos. As redes sociais, os diversos sites e aplicações sobre o precioso néctar, vieram enriquecer a informação disponível, mas também dispersá-la. Confirmei que a maioria dos enoblogs que conhecia, estão parados, com excepção do Copo de 3. Que bom, encontrar alguém persistente que continua a realizar um excelente trabalho, bem haja.

E estou de volta!! Sem expectativas de grandes mudanças, apenas escrever o que sinto quando bebo um vinho, de preferência com os amigos. E por falar em amigos, já foi lançado o desafio de participarem activamente aqui no EdB com as suas provas. Até já...

Resultados do questionário

por Rui Sousa, em 21.04.08
Após uns bons meses de questionário on-line sobre qual o vinho generoso nacional (Porto ou Madeira) preferido decidi terminar com o questionário e revelar os dados finais!

Vinho do Porto: 87 votos  72%
Vinha Madeira: 34 votos  28%

Total de votos: 121 votos

Vinho do porto ganha claramente o concenso geral dos vontantes do elixrdebaco em relação ao vinho madeira...

mas estes resultados deixaram-me outra questão no ar: Será que todos os vontantes conhecem tão bem um vinho como outro? eu pessoalmente nao conheço bem o vinho do porto e até ao momento gosto mais do Madeira... será que os votantes só conhecem bem o vinho do porto?

fica para outra altura...

um abraço

Alteração do mail do Elixir de Baco

por Rui Sousa, em 21.04.08
Por motivos alheios a administração do blog tive que alterar o mail do elixir de baco. Assim o novo mail é elixir.baco@gmail.com, como podem confirmar na barra lateral!!!
Por este motivo peço-vos imensas desculpas aos mails enviados e não respondidos dos últimos tempos.

um abraço e boas provas

Regresso das Férias!!!

por Rui Sousa, em 09.07.07
 
Tudo o que é bom acaba de pressa! Mesmo que dure muito tempo, quando pensamos passou mais depressa do que deveria. Fica sempre algo por fazer, algum sitio por visitar e ai dizemos para a próxima vou lá....
Mas não podemos viver do passado temos que olhar para o futuro e acolhe-lo da melhor maneira e estar preparado para os dias de amanha!!!

Nestas férias, que como todas, voaram, pode repousar, carregar baterias, ler (bastante), visitar alguns locais que queria e deliciar-me na magnifica gastronomia beirã, que delícia!!!!
São sem dúvida locais de passagem obrigatória, a cidade de Viseu, defendida pelo seu Viriato e pintada pelo seu Grão-Vasco .
Muito facilmente deixamo-nos estar por aquelas ruelas históricas e entrar nos belíssimos restaurantes que a circundam. Experimentem O Cortiço com seu Arroz de Carqueija , e o seu vinho da casa (Adega Coop. de Mangualde - Touriga Nacional) servido medievalmente, merece a visita!!!
Os concelhos que circundam a capital do distrito também merecem uma visita. Vão decididamente aos Três Pipos em Tonda e provem em loco a última colheita da Quinta dos Grilos. Aproveitem a viagem e sigam até Carregal do Sal e visitem o gigante Dão Sul, visitem as caves e façam umas compras na wine store . O restaurante também convida a ficar por lá.
Para a próxima paragem é só escolher: Nelas, ali ao lado, Santar tão pertinho, Silgueiros também, existe também Mangualde e Penalva do Castelo, locais que merecem mais que uma simples visita.

Infelizmente não consegui visitar todos estes locais, mais uma vez fica para a próxima!!!!!

Prova Cabernet Sauvignon

por Rui Sousa, em 21.04.07
Decidimos provar três exemplares desta famosa casta. Cabernet Sauvignon é a casta mais internacional de todas, a mais famosa e se calhar a mais polivalente, com uma capacidade de adaptação deveras notável. Em portugal, já existe produtores que apostam forte no Cabernet, principalmente no sul do país. Na bairrada está a surgir com bons resultados (ex: Campolargo). A revista dos vinhos na sua última edição tem um artigo sobre os Cabernet e Merlot portugueses, bem interessante por sinal.
Quanto a casta de origem francesa, surge na região de Médoc, muitas vezes associada a amiga Merlot, mas é nesta região onde surge bons varietais.
É uma casta com uma excelente adaptação a várias condições climáticas e de "terroir". Além desta capacidade nómada, o cabernet consegue ser também muito resistente aos ataques fúngicas e a podridão, tendo uma maturação lenta. A sua complexidade aromática e gustativa (bom volume e corpo), é favorecido por macerações pós-fermentativas, tem uma boa longevidade e com aptidão para a maturação na madeira.
Apresenta no entanto um desequilíbio de vigor vegetativo / produção excessiva / maturação incompleta poderão levar ao surgimento de altos teores de pirazinas, que são os responsáveis pelos aromas de pimentos verdes e vegetais, tão comuns nestes varietais.
(fonte: revista dos vinhos, nº 208)

Perante esta pequena explicação sobre o Cabernet Sauvignon vamos passar os exemplares escolhidos (infelizmente as opções não eram muitas!!):
Da Argentina recebemos o Finca Flichman 2005;
Do Chile chegou o Los Vascos - Domaine Barons de Rothschild (lafite) 2003
De Portugal, o famoso Quinta da Bacalhôa 2003.
Se são bons exemplares ou os melhores, não sei, mas o objectivo não era provar os melhores cabernet do mundo, mas ver e sentir as diferenças de uns para os outros consoante a região.

FINCA FLICHMAN 2005
Vindo da região de Mendoza, estagiou três meses em barricas de carvalho e mais um tempo em garrafa. Com 13,5 % é um tinto de média intensidade, visto ter um corpo médio, com os aromas vegetais a se notarem logo de inicio. A madeira está presente mas em segundo plano. Na boca comanda a parte vegetal, com os pimentos verdes presentes. De curta e taninosa persistência. 14,5 val

QUINTA DA BACALHÔA 2003
O Setubalense e conhecido tinto estagiou durante 11 meses em barricas de carvalho francês. Com os mesmos 13,5% este varietal português, apresenta-se com uma cor rubi, e no nariz fica desde o ínicio a fruta silvestre, a madeira e toques vegetais. Com um corpo cativante, é um tinto que nos retêm na prova, é diferente, pode não ser de consensual mas é um bom varietal, pois na boca os taninos são aveludados, não agressivos e demasiados vegetais, como o parente argentino. um final agradável e de média persistência. 16 Val

LOS VASCOS 2003
Produzido por Domaines Barons de Rothschild em Peralillo, província de Colchagua. Los Vascos possui uma das vinhas mais antigas do Chile. Adequirida por Domaines Barons de Rothschild em 1988, que iniciou um programa de modernização e ampliação das vinhas, cerca de 500 ha.Com os aromas característicos da casta, fruta silvestre e toques vegetais este tinto, surge-nos mais fechado do que os outros. Com o tempo surgem os pimentos, a cereja e até toques citrinos! (não se é normal, mas foi sentido por vários!) A sua suavidade e frescura é evidente na boca onde os taninos são os menos vigorosos, mas agradáveis. A fruta surge na boca e a parte vegetal também a espaços. Persistência curta/média. 15 Val

Top 5 dos Vinhos Provados

por Rui Sousa, em 31.12.06

Top 5:

Duas Quintas Reserva Tinto 2001 - 18 Val

Quinta de La Rosa Tinto Cão 2004 - 18 Val
Esporão Reserva Tinto 2003 - 18 Val
Quinta dos Aciprestes Reserva Tinto 2003 - 17,5 Val
Herdade do Perdigão Reserva Tinto 2003 - 17, 5 Val


Douro, grande região!!!

por Rui Sousa, em 25.11.06
Bem após ter estado longe destas andanças, chego a casa e vejo a revista dos vinhos deste mês a minha espera... E qual foi o meu espanto por ver na capa Douro Tintos, fruta, garra e classe. Pensei eu, são bruxos, era mesmo o tema que queria ver na revista, porque o Douro tem conseguido conquistar-me aos poucos e poucos. Na última viagem ao El Corte Inglês dei por mim depois de pagar, que só trazia vinhos do Douro,  inconscientemente é claro!!!
Bem o artigo mais uma vez está muito bem feito, mostrando a todos os nós os grandes Tintos que são feitos por aquelas regiões inóspitas.
Três tintos tiveram a classificação de 18,5 e sete 18, fechando assim em grande o Top Ten. De referir que em 45 amostras nenhuma recebeu uma menção menor que 16 valores. São tintos top de gama estes aqui expostos, havendo uma grande variedade de preços, desde os 10.75 € até aos 85 €.
Três tintos obtiveram o "selo" de melhor compra da revista dos vinhos, os três mais baratos, um com 17,5 (Vértice 2003), e dois com 17 (Casa Burmester Reserva 2004 e Quinta dos Quatro Ventos 2004). O preço destes magníficos rodam os 10.75 e os 13 €.
Tenho que mencionar pelo menos os Top Ten, porque acho que a região merece que se publique vinhos assim:

  • Abandonado 2004
  • Batuta 2004
  • Pintas 2004
  • CV 2004
  • La Rosa Reserva 2004
  • Quinta da Tecedeiras Reserva 2004
  • Quinta de Macedo 2004
  • Quinta do Crasto Vinha da Ponte 2004
  • Quinta do Infantado Reserva 2003
  • Quinta do Vale Meão 2004

"RUNIÃO" no Ilhéu...

por Rui Sousa, em 26.09.06
Esta "runião" surgiu, nesta última semana. Verfifcado se podíamos ir, começaramos planos... pedir autorização para permanecer lá a noite, pensar nos elixires para degustar e na paparoca..
Com o tempo a permitir a nossa instalação no ilhéu de cima,

começamos a decidir então os vinhos:

Deu-la-Deu 2005
Reguengos Garrafeira dos Sócios 2000
Quinta de Sães 2005
Vinho do Porto 1999 (produtor caseiro) e
Tinta Barroca 2005 (produtor caseiro)

Isto a acompanhar uma grelhada mista de chouriças, salsinhas e entrecousto. É claro que houve ainda queijinhos, azeitoninhas e abacaxi grelhado na brasa para terminar...
No almoço do dia seguinte ainda houve costeletas grelhadas como prato principal, antecendendo houve uns carangueijos frescos do ilhéu, juntamente de mais umas chouriças, queijo, azeitonas...

Digamos que foi um fim de semana muito bem passado, com muito divertimento, boa disposição, desporto (pesca e natação)


aproveitando a excelente vista para o mar e ilha de porto santo!

Runião de Setembro...

por Rui Sousa, em 07.09.06

No passado dia 4 de Setembro, no rescaldo de mais um aniversário, do nosso grande amigo e membro dos decantadores de sabores e aromas - Gregório Freitas, decorreu mais uma excelente runião onde o convívio mais uma vez se destacou.

Com a organização a cargo do nortenho Toni, a ementa destacou-se pelo:

  • Polvo de escabeche, uma iguaria muito apreciada nas ilhas...
  • Rojões à moda do Toni, que maravilha...
  • acompanhado ainda com queijo, chouriça caseira e broa de milho.
  • para o final ficou o melãozinho fresquinho que caiu muitíssimo bem com este calor!!

Quanto aos elixires, foram provados e degustados os seguintes:

  • Quinta da Comenda Rosé
  • Quinta de Cidrô Reserva 2004 Chardonnay
  • Muralhas de Monção 2005

 

TANINOS???

por Rui Sousa, em 07.07.06
   Na Blue Wine de Junho deste ano, encontrará um excelente artigo sobre os Taninos, o que são e como reconhecê-los?
  Para mim como iniciador nestas andanças de vinhos, é um excelente artigo, simples de compreensão e que elucida muitas questões, como por exemplo se os taninos encontram-se apenas no vinho tinto? 
   O artigo refere que podemos perceber os taninos bebendo chá! Porque não são exclusivos do vinho, estes encontram-se na pele fina das nozes e sobretudo no chá. Pode experimentar bebendo um chá preto, mas com folha de chá, deixe assentar e irá descobrir que os taninos estão presentes.
  Mas afinal o que são os taninos? João Paulo Martins  explica no seu livro "Vinhos de Portugal 2005", que são componentes essenciais do vinho tinto indispensável à longevidade dos vinhos. Deriva das cascas (pele, grainhas e engaço) das uvas e da madeira nova. Ficamos com uma sensação de secura na lingua e com o céu da boca tipo rugoso se for um vinho novo.
 Como já referi os taninos servem para prolongar a vida activa do vinho, assim se encontrarmos um vinho tinto com uma forte presença de taninos este poderá repousar na garrafeira por mais um tempinho, enquanto que quando consumir-mos um vinho com uma suavidade no palato teremos de os beber jovens devido a sua falta de capacidade de poder envelhecer. 
   Os taninos não possuem paladar nem aromas, mas deixam uma sensação rugosa e de secura na boca - a famosa adstringência!
    Para finalizar podemos encontrar taninos em vinhos brancos? Sim as técnicas enológicas utilizadas, como o estágio em madeiras novas ou o "battonage" (agitamento periódico das borras) podem potenciar o aparecimento dos taninos.

Agora é tempo de descobrir nas aulas práticas!!!

fontes: blue wine e Vinhos de Portugal 2005